27 de jan de 2012

Chico do Queijo





Ultimamente tenho sofrido com a notícia de um acidente de carro que aconteceu com um grande amigo nosso: FRANCISCO FERREIRA DE LIMA, popularmente conhecido como "Chico do Queijo".

Chico encontra-se atualmente hospitalizado sem mexer com suas pernas, embora sente seus pés.
Passou por uma Cirurgia em 27/01/12, uma lesão na coluna, coisa delicada, mas nunca desanimo e tenho fé.

Ao ligar ontem (27/01/12)pra sua esposa (Zélia), buscando informações sobre o estado de Chico, recebo uma pancada que me faz desmoronar ao ouvir Zélia chorando do outro lado do telefone.

Após esse momento comecei a refletir sobre incógnitas que aparecem em nossas vidas e nunca teremos resposta, pelo menos agora não sei a resposta, se alguém souber, por favor, me responda.

Vamos aos fatos:

Chico é uma pessoa normal, com seus defeitos e qualidades, mas tem um dom de fazer amizades.
Brinca, ri, e melhor faz muita gente rir, sabe aquelas pessoas que chega pra levantar seu astral e sempre tem uma palavra de apoio. Palavra essa que é como "a bóia" daqueles que estão naufragando.
Ainda se não bastasse, Chico possui uma inteligência ímpar, embora despercebido por muitos devido ao seu jeito simples de ser, vestir, e falar. Isso esconde uma cabeça valiosa, cheia de informações e conhecimentos.
Atualizado, pronto pra qualquer sabatina.
É assim Chico do Queijo.

Como motorista, é muito prudente, anda devagar, devagar até de mais às vezes, pelo que sei esse seria seu primeiro acidente, salvo engano.

Pois bem diante deste currículo, acontece um acidente com Chico.

E Chico sai do Palco, tornando nossas vidas mais tristes.
Sem suas piadas, seus ensinamentos, suas valiosas opiniões.

Ai caro leito começa as indagações:

POR QUÊ?
Um acidente com um Motorista tão prudente como Chico?
Uma pessoa maravilhosa com seus defeitos e muitas qualidades, por quê?
E nessas horas pergunto novamente: Existe Destino ou somos balizados pelo Acaso?

A conclusão que tiro dessa situação é a que todos sabemos, busco nas letras de imortais os ensinamentos dessa situação:
 


 Do poema "Seiscentos e sessenta e seis" de Mário Quintana:
"A vida é uns deveres que nós trouxemos para fazer em casa.
Quando se vê, já são 6 horas: há tempo…
Quando se vê, já é 6ªfeira…
Quando se vê, passaram 60 anos…
Agora, é tarde demais para ser reprovado…
E se me dessem – um dia – uma outra oportunidade,
eu nem olhava o relógio.
seguia sempre, sempre em frente…
E iria jogando pelo caminho a casca dourada e inútil das horas."
 


De Renato Russo:
"(...) É preciso amar as pessoas como se não houvesse amanhã
e se você parar pra pensar, na verdade não há." 





De Chico Xavier:
"CONFIE SEMPRE
Não percas a tua fé entre as sombras do mundo. Ainda Que Os Teus pés estejam sangrando, segue para a frente, erguendo-a por luz celeste, acima De ti mesmo. Crê e trabalha. Esforça-te no bem e espera Com paciência. Tudo passa e tudo se renova na terra, mas o que vem do céu permanecerá. De todos os infelizes os mais desditosos são os que perderam a confiança Em Deus e em si mesmo, porque o maior infortúnio é sofrer a privação Da fé e prosseguir vivendo. Eleva, pois, o teu olhar e caminha. Luta e serve. Aprende e adianta-te. Brilha a alvorada além da noite. Hoje, é possível que a tempestade te amarfanhe o coração e te atormente o ideal, aguilhoando-te com a aflição ou ameaçando-te com a morte. Não te esqueças, porém, de que amanhã será outro dia."

Ficamos por aqui orando por Chico e sempre pedindo que seja feita a vontade de Deus e não a nossa.

Mas tenho fé e acredito que ainda continuarei escrevendo por aqui boas notícias e as peripécias de um amigo que aprendi a amá-lo.
De uma pessoa que contribuiu muito na minha vida.
Que sem querer me sustentou quando eu tava caindo num abismo, sem esperança, naufragando e ele chegou e me jogou aquela "bóia".
Talvez nem saiba disso.

Te amo Amigo e a vida é muito curta pra esconder o quanto sentimos por pessoas maravilhosas como você.

Estou orando por você sempre meu Amigo e meu Irmão: Francisco Ferreira de Lima - "Chico do Queijo".
 



Benízio Filho