31 de mar de 2011

Frase do Dia

"Nada na vida deve ser temido, apenas compreendido. Agora é hora de compreender mais, para temer menos." 
Marie Curie

30 de mar de 2011

Chegou a Hora e a Vez do Nordeste

Prezados Leitores.

Enfim uma notícia boa sobre o crescimento da economia da nossa Região, segue abaixo a reportagem veiculada no Blog do Jamildo (clicar no link abaixo) :
Aumenta oportunidades de emprego no Nordeste



Aumentam oportunidades de emprego no Nordeste

POSTADO ÀS 08:55 EM 30 DE Março DE 2011
Patrícia Lucena, do iG

A região Nordeste vem registrando avanço na oferta de emprego. Era comum a migração de nordestinos para o Sudeste, em busca de melhores oportunidades. Entretanto, esse movimento mudou. Segundo dados do Ministério do Trabalho, elaborados pela LCA Consultores, o Nordeste gerou 227,4 mil vagas em 2009, ante 203,6 mil em 2008. “No ano da crise, foi a única região que registrou aumento do número de postos de trabalho criados”, diz Fábio Romão, economista da LCA Consultores.

De acordo com dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), foram gerados 2,13 milhões de postos de trabalho em 2010 em todo o País. O Nordeste passou dos 227,4 mil de 2009 para 382 mil vagas. Já o Sudeste, que teve uma diminuição de postos de trabalho em 2009 (de 840,3 mil para 466,2 mil), passou de 466,2 mil para 1,13 milhão no ano passado.


Romão afirma que apesar de a metade das vagas terem sido criadas no Sudeste, o Nordeste vem mostrando uma melhora significativa nos últimos anos. “Isso é reflexo da melhor distribuição de renda, do aumento de pessoas pertencentes às classes C e D e do acesso ao crédito.”

Segundo ele, o Nordeste enfrentou de forma mais positiva a crise financeira em 2009. “O Sudeste tem um maior número de empresas multinacionais. Com a crise internacional, a região acabou sentindo mais os efeitos”, acrescenta Romão.

Além disso, o número de pessoas que tem os ganhos salariais indexados ao salário mínimo é menor do que no Nordeste. Na média nacional, 30% das pessoas têm seus rendimentos indexados ao salário mínimo. No Nordeste, são quase 50%. “Nos últimos anos, houve importantes ganhos reais no salário mínimo. Se for feita uma média de 2004 a 2010, o reajuste foi cerca de 7%, um valor acima da inflação. Só em 2006, o reajuste foi de 12,9%. Com isso, aumentou a distribuição de renda e as oportunidades na região se dinamizaram.”

João Abadd, diretor de franquias da escola de cursos técnicos e profissionalizantes de informática Microcamp, acredita que o aumento das oportunidades no Nordeste se deve também às obras sociais realizadas nos últimos anos pelo governo. “Além disso, muitas empresas deixaram o eixo Sudeste – Sul e foram para o Nordeste, em função da maior oferta de mão de obra.”

Muitas empresas foram atraídas para o Nordeste por ser uma região onde o número de consumidores finais é muito grande. Segundo Abadd, quanto mais perto estão do consumidor final mais as companhias conseguem fixar um preço mais competitivo, tendo menor tempo de deslocamento e eliminando a limitação de carga.


"Obras sociais do governo também contribuíram para o aumento das oportunidades no Nordeste", ressalta João Abadd

Segundo Abadd, a única dificuldade que as empresas têm enfrentado na região é a falta de mão de obra qualificada. Esse foi um dos motivos que levou a Microcamp a abrir filiais em Alagoas, Paraíba e Pernambuco – além do Pará, na vizinha região Norte. “Sentimos a necessidade para uma maior qualificação profissional. As pessoas têm nos procurado para não perder o emprego para alguém de fora.”

De acordo com o especialista, o aumento do salário mínimo, o crescimento da classe média, os projetos sociais do governo e as oportunidades fora do eixo Sudeste – Sul foram os fatores que olevaram ao aumento de oportunidades na região.

Com um maior número de vagas no Nordeste como um todo, a economia local melhora e há relações de troca. A personal coach da LM Eventos Educativos Lilian Diniz ressalta que apesar de os avanços estarem concentrados nas maiores cidades do Nordeste, como Recife, as áreas mais pobres acabam se beneficiando. “A melhora se expande para todos os lugares, já que as empresas começam a investir mais, o comércio aumenta e mais postos de trabalho são criados.”

Setores

Na opinião de Lilian, o principal setor que contribuiu para esse crescimento foi o da construção civil. “Esse foi o ramo que mais gerou empregos. O Nordeste tinha uma deficiência muito grande em moradia. Com isso, o número de construções, tanto de imóveis quanto de comércios para abastecer a classe C, aumentou significativamente.” Além disso, destaca Lilian, foram percebidas oportunidades de negócios. Os programas de aceleração promovidos pelo governo também impulsionaram o ramo da construção.

A construção civil cresceu no País como um todo, mas teve uma melhora significativa no Nordeste devido à melhora da distribuição de renda. Fábio Romão analisa que muitas pessoas ainda não tinham casa própria. “Com as medidas governamentais e o aumento da formalização de mão de obra, a população começou a ter mais confiança para entrar em um financiamento de longo prazo para aquisição de um imóvel. Com isso, aumentou o número de construções, já que a demanda era maior.”

Abbad também destaca que a ida das empresas para o Nordeste fez com que aumentasse a necessidade de infraestrutura para atender às companhias e à cadeia logística.

Outro setor em contínuo desenvolvimento e que vem gerando muitos postos de trabalho é o comércio. “Com a melhor distribuição de renda e o aumento da classe C, o consumo cresceu. Graças a isso, grandes redes varejistas passaram a apostar no Nordeste ou ampliaram seus negócios na região. Isso porque um número maior de pessoas se tornou passível de consumir”, acrescenta Romão.

O setor de serviços também vem se ampliando gradativamente no Nordeste, gerando mais oportunidades de empregos. “Com a classe média crescendo, o consumo por bens duráveis aumenta e, em um segundo momento, também a utilização de serviços.” Segundo ele, a única dificuldade que as empresas estão encontrando é a falta de mão de obra local qualificada. “As companhias acabam trazendo profissionais mais qualificados do Sudeste e do Sul para suprir essa demanda.”

Frase do Dia

"Você não sabe o que é a morte, então você não tem de ter medo da morte. Você tem de ter medo é da desonra, dela você tem de ter medo, isso mata você."
                                      
               José Alencar (* 17/10/31 / 29/03/11) em  30 de dezembro de 2007.

25 de mar de 2011

Frase do Dia

"Se ninguém é insubstituível, por que é que na hora de minha morte eu mesmo vou ter que ir?"

Fraga

24 de mar de 2011

Frase do Dia


 William Cowper
"O ócio é um relógio sem ponteiros. Tão inútil funcionando quando parado."

Recomeço ...

Prezados Leitores.

Após uma temporada sem escrever nada no ASSUNTAGEM por motivos pessoais, gostaria de pedir desculpas ao visitantes e comunicar que estou atualizando com novas postagens.

Agradeço pela compreensão de todos.

Vamos recomeçar.


Benízio Elias Fh.

12 de mar de 2011

Bons tempos aquele em que os Correios funcionavam ...

Ao pensar que receberemos qualquer correspondência ou encomenda pelos Correios em João Alfredo (PE), causa arrepios.

É caótica a situação da nossa Agência dos Correios.

A estrutura dos Correios em João Alfredo (PE) não acompanhou o crescimento da cidade que entre o Senso de 2000 e o Senso de 2010 segundo o IBGE nossa população cresceu 13,74%, atualmente temos 30.735 habitantes.
É um aumento considerável.

Parem e analisem quantas microempresas abriram durante esse período, quantas casas foram construídas, e a estrutura dos Correios em João Alfredo não mudou: 03 funcionários (02 Atendentes Comerciais e 01 Carteiro).

Além disso, temos também um agravante o Banco Postal foi criado e passa a ser operado pelos Correios, são duas instituições em uma só estrutura.

O Correio vai de encontro às leis da Matemática onde 01 Carteiro entregará correspondências de 30.735 pessoas, com freqüência mínima de 03 vezes por semana, segundo Portaria do próprio Correio que regulamenta a freqüência de entrega de correspondências.

Ai haja sofrimento.

Correspondências atrasadas;
Pagamento de contas em atraso, pagamento de juros;
Encomendas atrasadas;
Acúmulo de serviços;
Atraso do Atendimento na Agência;
População revoltada...

Em fevereiro/2011 encaminhei um e-mail para vários setores dos Correios e até para o Ministro das Comunicações relatando nossa situação e pedindo providências.
Dia 03 de março por volta das 10h recebi no meu trabalho a visita do nosso Carteiro Sr Antônio acompanhando o Sr Roberto Malheiros (Gerente da Agência Regional de Caruaru, que responde por nossa Agência).
O Sr Roberto Malheiros em nome dos Correios pediu inúmeras desculpas e explicou a situação atual dos Correios no tocante ao déficit de mão-de-obra. Prometeu que buscaria de toda forma solucionar nossa situação, mas pediu paciência.
Até compreendo as dificuldades dos Correios representado pelo Sr Roberto Malheiros, mas infelizmente "O Pedido de Desculpas", não compensa o pagamento dos juros que pagamos pelas contas que são entregues atrasadas pelos Correios, e não evita o transtorno e o desrespeito que estamos sofrendo.

O  Problema é dos Correios e por lei deve ser resolvido assim rege o Art. 5º da Constituição Brasileira.

O meu Problema irei resolver cobrando a quem de direito.

Que fique bem claro que estou apenas fazendo valer meu Direito de Cidadão Brasileiro, não tenho necessidade de espaço na mídia e nem tenho pretensões políticas.

E vamos a Luta.

Correios se preparem, pois a batalha está apenas começando, pois sou Brasileiro e não desisto nunca.

5 de mar de 2011

A Nudez da nossa Mãe Terra.




Que tal se os nossos políticos se preocupassem um pouco com o êxodo rural e fizessem um trabalho voltado para a assistência rural?

Por que no Agreste ninguém se preocupa com a agricultura? 

Nós de João Alfredo-PE e regiões vizinhas, por que não cobrar de Vereadores, Prefeitos, Deputados que tanto trabalham pela alienação dos nossos conterrâneos? 

Vamos exigir Agrônomos, Veterinários, Zootecnistas e outros profissionais que nos orientem a trabalhar no campo.
Pôr a mão na terra para tirar dela os frutos para nossa subsistência.

Abrimos os Jornais e vemos a briga política por prefeituras e troca de partidos, a mídia expandindo cada vez mais essa política do tempo dos “Coronéis”.


Temos novas gerações, vamos tomar consciência que devemos desenvolver no Nordeste- principalmente no agreste - a Agricultura.
Abrir escolas, adquirir máquinas, parar com essa Agricultura Primitiva.
Fixar cada habitante no seu município motivando a cultura de cada região.
Frutas, legumes, verduras para matar a fome, e não paliativos de doações.
Vamos fazer doações de sementes, máquinas agrícolas, mesmo as mais simples.
Incentivar a população a trabalhar e não receber esmolas alimentando o comodismo.
Não vamos nos conformar com festas, vamos pedir trabalho, orientação de como arranjar o meio mais prático para cultivar.
Que através da terra e do esforço é que temos os nossos alimentos.
O Brasil já fabrica tratores e porque não trazer para o agreste?
Nós pernambucanos ainda vivemos com uma agricultura da idade da pedra em pleno século XXI. Os computadores de um lado, no outro a enxada e as queimadas.
Vamos cada um fazer a sua parte:  incentivar, ensinar e ajudar o outro a ter uma vida mais digna para que possa viver em paz.
Abrir as escolas para plantar verduras, frutas, fazendo a festa de cada colheita.
O Governo em vez de alimentar o comodismo deve incentivar ao trabalho, a plantar, dando sementes, ensinando como cultivar e adquirir máquinas para cada região, principalmente as mais necessitadas.
Se cada um doar junto com a feira um pouco de semente para uma horta seria o primeiro passo para combater o êxodo rural.

Ninguém quer mais plantar nada.
Vamos acabar com essa imensidão de terras nuas.

03 de março de 2011.

Neli Andrade de Sousa – Pedagoga
neliasandrades@hotmail.com
Iputinga – Recife - PE