30 de mar de 2011

Chegou a Hora e a Vez do Nordeste

Prezados Leitores.

Enfim uma notícia boa sobre o crescimento da economia da nossa Região, segue abaixo a reportagem veiculada no Blog do Jamildo (clicar no link abaixo) :
Aumenta oportunidades de emprego no Nordeste



Aumentam oportunidades de emprego no Nordeste

POSTADO ÀS 08:55 EM 30 DE Março DE 2011
Patrícia Lucena, do iG

A região Nordeste vem registrando avanço na oferta de emprego. Era comum a migração de nordestinos para o Sudeste, em busca de melhores oportunidades. Entretanto, esse movimento mudou. Segundo dados do Ministério do Trabalho, elaborados pela LCA Consultores, o Nordeste gerou 227,4 mil vagas em 2009, ante 203,6 mil em 2008. “No ano da crise, foi a única região que registrou aumento do número de postos de trabalho criados”, diz Fábio Romão, economista da LCA Consultores.

De acordo com dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), foram gerados 2,13 milhões de postos de trabalho em 2010 em todo o País. O Nordeste passou dos 227,4 mil de 2009 para 382 mil vagas. Já o Sudeste, que teve uma diminuição de postos de trabalho em 2009 (de 840,3 mil para 466,2 mil), passou de 466,2 mil para 1,13 milhão no ano passado.


Romão afirma que apesar de a metade das vagas terem sido criadas no Sudeste, o Nordeste vem mostrando uma melhora significativa nos últimos anos. “Isso é reflexo da melhor distribuição de renda, do aumento de pessoas pertencentes às classes C e D e do acesso ao crédito.”

Segundo ele, o Nordeste enfrentou de forma mais positiva a crise financeira em 2009. “O Sudeste tem um maior número de empresas multinacionais. Com a crise internacional, a região acabou sentindo mais os efeitos”, acrescenta Romão.

Além disso, o número de pessoas que tem os ganhos salariais indexados ao salário mínimo é menor do que no Nordeste. Na média nacional, 30% das pessoas têm seus rendimentos indexados ao salário mínimo. No Nordeste, são quase 50%. “Nos últimos anos, houve importantes ganhos reais no salário mínimo. Se for feita uma média de 2004 a 2010, o reajuste foi cerca de 7%, um valor acima da inflação. Só em 2006, o reajuste foi de 12,9%. Com isso, aumentou a distribuição de renda e as oportunidades na região se dinamizaram.”

João Abadd, diretor de franquias da escola de cursos técnicos e profissionalizantes de informática Microcamp, acredita que o aumento das oportunidades no Nordeste se deve também às obras sociais realizadas nos últimos anos pelo governo. “Além disso, muitas empresas deixaram o eixo Sudeste – Sul e foram para o Nordeste, em função da maior oferta de mão de obra.”

Muitas empresas foram atraídas para o Nordeste por ser uma região onde o número de consumidores finais é muito grande. Segundo Abadd, quanto mais perto estão do consumidor final mais as companhias conseguem fixar um preço mais competitivo, tendo menor tempo de deslocamento e eliminando a limitação de carga.


"Obras sociais do governo também contribuíram para o aumento das oportunidades no Nordeste", ressalta João Abadd

Segundo Abadd, a única dificuldade que as empresas têm enfrentado na região é a falta de mão de obra qualificada. Esse foi um dos motivos que levou a Microcamp a abrir filiais em Alagoas, Paraíba e Pernambuco – além do Pará, na vizinha região Norte. “Sentimos a necessidade para uma maior qualificação profissional. As pessoas têm nos procurado para não perder o emprego para alguém de fora.”

De acordo com o especialista, o aumento do salário mínimo, o crescimento da classe média, os projetos sociais do governo e as oportunidades fora do eixo Sudeste – Sul foram os fatores que olevaram ao aumento de oportunidades na região.

Com um maior número de vagas no Nordeste como um todo, a economia local melhora e há relações de troca. A personal coach da LM Eventos Educativos Lilian Diniz ressalta que apesar de os avanços estarem concentrados nas maiores cidades do Nordeste, como Recife, as áreas mais pobres acabam se beneficiando. “A melhora se expande para todos os lugares, já que as empresas começam a investir mais, o comércio aumenta e mais postos de trabalho são criados.”

Setores

Na opinião de Lilian, o principal setor que contribuiu para esse crescimento foi o da construção civil. “Esse foi o ramo que mais gerou empregos. O Nordeste tinha uma deficiência muito grande em moradia. Com isso, o número de construções, tanto de imóveis quanto de comércios para abastecer a classe C, aumentou significativamente.” Além disso, destaca Lilian, foram percebidas oportunidades de negócios. Os programas de aceleração promovidos pelo governo também impulsionaram o ramo da construção.

A construção civil cresceu no País como um todo, mas teve uma melhora significativa no Nordeste devido à melhora da distribuição de renda. Fábio Romão analisa que muitas pessoas ainda não tinham casa própria. “Com as medidas governamentais e o aumento da formalização de mão de obra, a população começou a ter mais confiança para entrar em um financiamento de longo prazo para aquisição de um imóvel. Com isso, aumentou o número de construções, já que a demanda era maior.”

Abbad também destaca que a ida das empresas para o Nordeste fez com que aumentasse a necessidade de infraestrutura para atender às companhias e à cadeia logística.

Outro setor em contínuo desenvolvimento e que vem gerando muitos postos de trabalho é o comércio. “Com a melhor distribuição de renda e o aumento da classe C, o consumo cresceu. Graças a isso, grandes redes varejistas passaram a apostar no Nordeste ou ampliaram seus negócios na região. Isso porque um número maior de pessoas se tornou passível de consumir”, acrescenta Romão.

O setor de serviços também vem se ampliando gradativamente no Nordeste, gerando mais oportunidades de empregos. “Com a classe média crescendo, o consumo por bens duráveis aumenta e, em um segundo momento, também a utilização de serviços.” Segundo ele, a única dificuldade que as empresas estão encontrando é a falta de mão de obra local qualificada. “As companhias acabam trazendo profissionais mais qualificados do Sudeste e do Sul para suprir essa demanda.”